(in)delicadeza de amar.: Metamorfose ambulante.

Páginas

sexta-feira, 4 de março de 2011

Metamorfose ambulante.


De fato, sou uma metamorfose ambulante. Sim, todos os dias me surpreendo com as mudanças, minhas mudanças, coisas que nunca me imaginei fazendo, falando, pensando. O ontem me parece tão precário, falta pedaços, que hoje estão preenchidos, assim como me faltam pedaços hoje, que amanhã pode ser que se preencham, ou não. São pessoas, lugares, que antes eram inimagináveis , que fazem parte do que sou, do que penso, do que sinto, do que me tornei. Algumas vezes foi agradável, outras mais feliz, em outras doeu, muito, mas é isso que compõe o que chamamos de vida, a mistura de momentos e sentimentos num só lugar, ali onde ninguém chega, e que nunca poder ser esquecido.
Jéssica B.