(in)delicadeza de amar.: 01/04/13 - 01/05/13

Páginas

terça-feira, 30 de abril de 2013



Cabelo arrumado todos os dias, lápis nos olhos, perfume de morango. Eu sei, eu sei, a paixão é ridícula. Sei que não cumpro o que prometo com olhares de mulher. Pois é, eu sou uma menina. Surpreso? Eu não. Você está surpreso mesmo? Achou que era uma mulher te instigando para fugir da lógica? Isso é coisa de criança. Lógica? Que se foda a lógica! Eu não tenho tesão nenhum em separar o certo do errado. Espero não aguentar mais a dor do caminho errado para mudar de vida, é só isso que acontece. E o caminho certo também não me dá muito tesão não. Menos aquele que a gente fez para fugir, menos aquele que a gente fez para se pegar, se entrar, parar de pensar em sentir e sentir de uma vez.


Tati Bernardi

Amar.



Procure me amar quando eu menos merecer, porque é quando eu mais preciso
Falamos à beça de amor. Apesar das nossas singularidades, temos pelo menos esse desejo em comum: queremos amar e ser amados. Amados, de preferência, com o requinte da incondicionalidade. Na celebração das nossas conquistas e na constatação dos nossos fracassos. No apogeu do nosso vigor e no tempo do nosso abatimento. No momento da nossa alegria e no alvorecer da nossa dor. Na prática das nossas virtudes e no embaraço das nossas falhas. Mas não é preciso viver muito para percebermos nos nossos gestos e nos alheios que não é assim que costuma acontecer.
Temos facilidade para amar o outro nos seus tempos de harmonia. Quando realiza. Quando progride. Quando sua vida está organizada e seu coração está contente. Quando não há inabilidade alguma na nossa relação. Quando ele não nos desconcerta. Quando não denuncia a nossa própria limitação. A nossa própria confusão. A nossa própria dor. Fácil amar o outro aparentemente pronto. Aparentemente inteiro. Aparentemente estável. Que quando sofre não faz ruído algum.
Fácil amar aqueles que parecem ter criado, ao longo da vida, um tipo de máscara que lhes permite ter a mesma cara quando o time ganha e quando o cachorro morre. Fácil amar quem não demonstra experimentar aqueles sentimentos que parecem politicamente incorretos nos outros, embora costumem ser justificáveis em nós. Fácil amar quando somos ouvidos mais do que nos permitimos ouvir. Fácil amar aqueles que vivem noites terríveis, mas na manhã seguinte se apresentam sem olheiras, a maquiagem perfeita, a barba atualizada.
É fácil amar o outro na mesa de bar, quando o papo é leve, o riso é farto, e o chope é gelado. Nos cafés, após o cinema, quando se pode filosofar sobre o enredo e as personagens com fluência, um bom cappuccino e pão de queijo quentinho. Nos corredores dos shoppings, quando se divide os novos sonhos de consumo, imediato ou futuro. É fácil amar o outro nas férias de verão, no churrasco de domingo, nos encontros erotizados, nas festas agendadas no calendário do de vez em quando.
Difícil é amar quando o outro desaba. Quando não acredita em mais nada. E entende tudo errado. E paralisa. E se vitimiza. E perde o charme. O prazo. A identidade. E fala o tempo todo do seu drama com a mesma mágoa. Difícil amar quando o outro fica cada vez mais diferente do que habitualmente ele se mostra ou mais parecido com alguém que não aceitamos que ele esteja. Difícil é permanecer ao seu lado quando parece que todos já foram embora. Quando as cortinas se abrem e ele não vê mais ninguém na plateia. Quando até a própria alma parece haver se retirado.
Difícil é amar quando já não encontramos motivos que justifiquem o nosso amor, acostumados que estamos a achar que o amor precisa estar sempre acompanhado de explicação. Difícil amar quando parece existir somente apesar de. Quando a dor do outro é tão intensa que a gente não sabe o que fazer para ajudar. Quando a sombra se revela e a noite se apresenta muito longa. Quando o frio é tão medonho que nem os prazeres mais legítimos oferecem algum calor. Quando ele parece ter desistido principalmente dele próprio.
Difícil é amar quando o outro nos inquieta. Quando os seus medos denunciam os nossos e põem em risco o propósito que muitas vezes alimentamos de não demonstrar fragilidade. Quando a exibição das suas dores expõe, de alguma forma, também as nossas, as conhecidas e as anônimas. Quando o seu pedido de ajuda, verbalizado ou não, exige que a gente saia do nosso egoísmo, do nosso sossego, da nossa rigidez, para caminhar ao seu encontro.
Difícil é amar quando o outro repete o filme incontáveis vezes e a gente não aguenta mais a trilha sonora. Quando se enreda nos vícios da forma mais grosseira e caminha pela vida como uma estrela doída que ignora o próprio brilho. Quando se tranca na própria tristeza com o aparente conforto de quem passa um feriadão à beira-mar. Quando sua autoestima chega a um nível tão lastimável que, com sutileza ou não, afasta as pessoas que acreditam nele. Quando parece que nós também estamos incluídos nesse grupo.
Difícil é amar quem não está se amando. Mas esse talvez seja o tempo em que o outro mais precise se sentir amado. Para entender, basta abrirmos os olhos para dentro e lembrar das fases em que, por mais que quiséssemos, também não conseguíamos nos amar. A empatia pode ser uma grande aliada do amor.


 Ana Jácomo


Tu, minha poesia.



Qui descrever-te num poema,
procurei palavras que traduzissem.

E vi que cada verso, era uma doce melodia.
Cada rima, uma gostosa sensação.

E tudo soava, como uma perfeita sinfonia.
Emocionei-me, e enchi-me de ternura.
Pois falar de ti, é declamar a mais linda melodia. 

Maria Bonfá



Passei a vida te esperando, entende? Quando eu te escondo o jogo, quando eu te trato mal, é tudo medo, é tudo medo do amor. ♪
 Cazuza
Tumblr_lz00ox3iip1qcnb3lo1_1280_large


Me desliguei um pouco dessa paranóia de ‘o que os outros vão pensar?’ e agir, segundo a minha vontade, segundo aquilo que eu julgo certo, que se danem os outros, afinal quem vai viver o momento sou eu! E dai se eu acordar arrependida? Pelo menos não terei dormido na vontade! E se eu errar? Ah! Arquiva ai como experiência.


Tati Bernardi

sexta-feira, 26 de abril de 2013



Eu tenho pena das mulheres que correm o tempo todo atrás de se tornarem a melhor fruta de uma feira. Pra depois serem apalpadas e terem seus bagaços cuspidos.

Tati Bernardi

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Large

O papel mais difícil que já enfrentei foi o de amadurecer. 

Elizabeth Taylor

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Classic-black-and-white-celebrity-photos-4_large

Sonhe e deixe sua mente te levar a lugares que você gostaria de ir. Não dê ouvidos a quem não sabe sonhar.

Liza Minelli






terça-feira, 23 de abril de 2013

Large

Eu amo as pessoas que me fazem rir. Sinceramente, acho que é a coisa que eu mais gosto, rir. Cura uma infinidade de males. É provavelmente a coisa mais importante em uma pessoa.

 Audrey Hepburn

domingo, 21 de abril de 2013







Torna-te aquilo que és. 

Friedrich Nietzsche





Tumblr_ltfxm5gtrq1qe6fm5o1_500_large

Que a pele se enruga, o cabelo se torna branco, os dias se transformam em anos, mas o importante não muda. A sua força e sua segurança não têm idade. O seu espírito é o espanador de qualquer teia de aranha. Atrás de cada linha de chegada, há uma de partida. Atrás de cada engano, há outro desafio. Enquanto estiver viva, sinta-se viva. Se fizer algo diferente, volte a fazê-lo. Não viva de fotos amareladas. Siga em frente ainda que todos esperem que desista. Não deixe que se oxide o ferro que existe em você. Faça com que, em vez de pena, tenham respeito por você. Quando, devido à idade não puder correr, ande depressa. Quando não puder andar depressa, caminhe. Quando não puder caminhar, use a bengala. Mas não pare nunca.
Large

Eu tenho fantasias demais para ser uma dona de casa. Acredito que eu sou uma fantasia.


 Marilyn Monroe
Tumblr_menk0jwodn1rap0jso1_500_large

Tenho pecados, mas não sou o diabo. Sou boa, mas não um anjo. 

Marilyn Monroe
Large

sábado, 20 de abril de 2013



Já perdoei erros quase imperdoáveis,
Tentei substituir pessoas insubstituíveis e esquecer pessoas inesquecíveis.
Já fiz coisas por impulso,
Já me decepcionei com pessoas quando nunca pensei me decepcionar, mas também já decepcionei alguém.

Já abracei pra proteger,
Já dei risada quando não podia,
Já fiz amigos eternos,
Já amei e fui amado, mas também já fui rejeitado,
Já fui amado e não soube amar.

Já gritei e pulei de tanta felicidade,
Já vivi de amor e fiz juras eternas, mas "quebrei a cara" muitas vezes!
Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
Já liguei só pra escutar uma voz,
Já me apaixonei por um sorriso,

Já pensei que fosse morrer de tanta saudade e......tive medo de perder alguém especial
(e acabei perdendo) Mas sobrevivi!

E ainda vivo!
Não passo pela vida...
e você também não deveria passar. Viva!

Bom mesmo é ir a luta com determinação,
Abraçar a vida e viver com paixão,
Perder com classe e vencer com ousadia,
Porque o mundo pertence a quem se atreve
e A VIDA É MUITO para ser insignificante.


Charles Chaplin





Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato...  Ou toca, ou não toca

Clarice Lispector




É preciso acabar com esse medo de ser tocada lá no fundo
Ou é preciso que alguém me toque profundamente para acabar com isso.

Caio F. Abreu








Se amanhã não for nada disso
Caberá só a mim esquecer
O que eu ganho, o que eu perco
Ninguém precisa saber ♪




Sou impulsiva, sou sentimento, sou palavras... Às vezes falo mais do que deveria, e mais do que gostaria, então me apego sempre na permissão da minha emoção, porque ela torna tudo possível... E depois o que fazer com o arrependimento? Coloco no bolso, levo e coleciono?
Sincera mente não sei... só sei que não consigo viver com a dúvida de que "poderia ter sido"... isso me consome; quer saber? Aprendi a remendar meu coração, assim como faço com as muitas roupas que já passaram e passam todos os dias, por minhas mãos... então porque não fazer com o coração também? Aprendi simplesmente a me levantar - E me permito errar - me permito assim viver, mas aprendo com meus erros - e como aprendo, e não costumo regredir não - não mais - aprendo pra valer. E se não me faz bem, não dou espaço. Sei até onde eu posso ir porque sei exatamente o tempo que levei pra me levantar da queda!
Não sinto pelos outros, não vivo pelos outros, muito menos decido pelos outros... As escolhas das minhas atitudes são sempre muito pesadas, e sempre arco com a consequência... mal consigo dizer o que eu penso e o que eu quero. Mas, tenho certeza do que não quero. Há isso tenho.
Já tive experiências o suficiente para aprender a dizer não... Aprendi a não querer e a não viver quando não me é satisfatório, e por maior que seja a tentação digo que "Não"!  
Aprendi que, as vezes, ser egoísta pode até ser bom. Respeitar mais a mim mesma e me poupar de certas dores... "isso é saber viver"... tudo bem que, saber, saber mesmo de verdade, ninguém sabe. Suponho eu que ainda ninguém conseguiu a façanha de ter uma vida plena, sem erros e sem frustrações... e no fim o coração ta um remendo só. Mas se não for assim, ninguém vive... ai será apenas uma janela onde se abre um pouco da cortina e fica vendo tudo passar diante dos olhos, e fica lá acuado no canto dela só olhando, sem nada fazer.
É tudo muito complicado, mas sabe, eu fiz de tudo, ou quase tudo, não deixei nada passar... mas nada adiantou, lutei - e ainda luto pra viver - fui insistente e persistente, mas nada adiantou... Então, diante disso o que fazer? Sentar na janela e ver a vida passa? Não! É simplesmente, deixar acontecer.  Aprendendo um pouco mais, todos os dias... e um dia de cada vez.

Andreya Rosa



Tumblr_lybaw5tdm41qg8cvbo1_500_large


sábado, 13 de abril de 2013







Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes… tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:
- E daí? Eu adoro voar!
Não me deem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre.

Clarice Lispector

Todo dia eu procuro me lembrar: dá pra escolher. Não temos controle sobre tudo, mas dá pra escolher entre ter amigos ou viver recluso, dá pra escolher entre privilegiar um amor ou ter vários casos superficiais, dá pra escolher entre levar a vida com bom-humor ou levar a vida na ponta da faca. Se a escolha será acertada, aí já é outro assunto, o futuro vai dizer.

Martha Medeiros

terça-feira, 9 de abril de 2013




Escrevo isso e choro. Porque quero tanto e não quero tanto. Porque se acabar morro. Porque se não acabar morro. Porque sempre levo um susto quando te vejo e me pergunto como é que fiquei todos esses anos sem te ver. Porque você me entedia e dai eu desvio o rosto um segundo e já não aguento de saudade. E descubro que não é tédio mas sim cansaço porque amar é uma maratona no sol e sem água. E ainda assim, é a única sombra e água fresca que existe. Mas e se no primeiro passo eu me quebrar inteira? E se eu forçar e acabar pra sempre sem conseguir andar de novo? Eu tenho medo que você seja um caminhão de luz que me esmague e me cegue na frente de todo mundo. Eu tenho medo de ser um saquinho frágil de bolinhas de gude e de você me abrir. E minhas bolhinhas correrem cada uma para um canto do mundo. E entrarem pelas valetas do universo. E eu nunca mais conseguir me juntar do jeito que sou agora. Eu tenho medo de você abrir o espartilho superficial que aperto todos os dias para me manter ereta, firme e irônica. Minha angústia particular que me faz parecer segura. Eu tenho medo de você melhorar minha vida de um jeito que eu nunca mais possa me ajeitar, confortável, em minhas reclamações. Eu tenho medo da minha cabeça rolar, dos meus braços se desprenderem, do meu estômago sair pelos olhos. Eu tenho medo de deixar de ser filha, de deixar de ser amiga, de deixar de ser menina, de deixar de ser estranha, de deixar de ser sozinha, de deixar de ser triste, de deixar de ser cínica. Eu tenho muito medo de deixar de ser.

Tati Bernardi


domingo, 7 de abril de 2013




Let it be.





Ela odeia jogos de azar, gosta só do que lhe é conhecido. Ela ama e as vezes odeia isso, olhar lááá na frente e não ter certeza do que vai dar, tem medo de se jogar e se estrepar no fundo de um poço sujo, ela queria olhar e ver os girassóis no futuro. Ela tem medo do amor mas vai continuar se arriscando, ela respirou fundo e foi... 

Jade Stephani


Ontem eu pensei seriamente em aceitar suas vírgulas, se você não encucar com minhas reticências. Quem sabe assim a gente permaneça cada dia mais perto, e tão longe de um ponto final.

Gabito Nunes

Agora a gente discute o relacionamento que nunca tivemos coragem de ter. Ela diz que sou um cara bacana mas faço questão de parecer babaca, eu digo que ela sabe que é gostosa e especial, por isso trata os outros feito lixo. Ela argumenta sobre algo, que se eu bem entendi, tenho um pênis no lugar do nariz. Digo que se não tivesse chegado a tempo, ela estaria na fila do banheiro levando uns amassos daquele sujeito só pra se sentir sexy amanhã. Ela não vai cair na minha. Eu não estou tão desesperado assim. E sempre há o ato final, sem aplausos, com a pequena plateia farta de nossas más atuações. Vão me dizer “ei, cara, se decide, ou caga ou desocupa a moita, tem mais gente interessada, não vê que assim trata a menina mal?”, e vão aconselhá-la “depois não adianta chorar uma semana inteira e me ligar achando que posso dormir uma noite lá e consolar você”. É sempre a mesma coisa, mas é que, sei lá, as coisas parecem menos complicadas enquanto a gente se beija…


 Gabito Nunes


(...) Você combina tudo com seu cérebro, o que vai dizer, como vai dizer, em que momento vai dizer, ele chega e te olha... seu cérebro de imediato transfere suas funções para o coração, agora é só se entregar, não tem mais jeito o amor é assim, não tem o controle da situação, ele só quer amar e ser amado.


Jade Stephani

sábado, 6 de abril de 2013








Abraça o que te faz sorrir. Sonha que é de graça. Não espere. Promessas, vão e vem. Planos, se desfazem. Regras, você as dita. Palavras, o vento leva. Distancia, só existe pra quem quer. Sonhos, se realizam, ou não.
Os olhos se fecham um dia, pra sempre. E o que importa você sabe, menina. É o quão isso te faz sorrir. E só.

Caio F. Abreu

sexta-feira, 5 de abril de 2013



(...) Ser bem tratada não é um mérito, é uma condição. O mínimo que alguém pode fazer por mim é estar comigo ao máximo.

Marla de Queiroz 

quinta-feira, 4 de abril de 2013


Tumblr_mkqkrtdiz71rvvwuto1_500_large

Pronto menina, você já chorou até os olhos ficarem inchados, já pensou o por quê de tudo isso, já disse que não quer amar mais ninguém, que você não merecia, já reclamou até com Deus, agora chega já é a hora de subir no salto 15 e encontrar um novo caso, afinal a vida não teria nenhuma graça se não fosse por esses amores passageiros, e no fundo você sabe disso não é a primeira e nem será a ultima. 


Jade Stephani


(...) é uma pena
Mas você não vale a pena
Não vale uma fisgada dessa dor
Não cabe como rima de um poema
De tão pequeno ♪



E nessa de cuidar, vou cuidar de mim. De mim, do meu coração e dessa minha mania de amar demais, de querer demais, de esperar demais. Dessa minha mania tão boba de amar errado.

Caio F. Abreu

Tô exausto de construir e demolir fantasias. Não quero me encantar com ninguém.

Caio F. Abreu

segunda-feira, 1 de abril de 2013





Tenho um pinto no cérebro. Sempre que algum homem fala algo muito inteligente ele cresce e me fura os olhos. Eis o amor cego.

 - Tati Bernardi