(in)delicadeza de amar.: 01/09/14 - 01/10/14

Páginas

sábado, 13 de setembro de 2014


Porque eu sou isso que você vê: sou mais sentimento que razão, sou mais grito que sussurro, sou mais pé na nuvem do que no chão. E não me arrependo de nenhum defeito meu, não me condeno e nem me culpo. Me aceito toda cheia de cicatrizes, roxos e falhas.

Clarissa Corrêa

terça-feira, 2 de setembro de 2014



(...) Mas acabou. 
Sei que valeu a pena quando me pego sorrindo lembrando as loucuras que fizemos.

Gabito Nunes



A verdade, o que
realmente importa
mora dentro de mim,
longe do binóculo
alheio. O resto é
cena, ego, poeira.

Gabito Nunes


Dizem que tudo na vida tem dois lados. Um bom e outro ruim. Depende nos olhos de quem está a pimenta. Mas se tem algo realmente ambíguo para uma única alma é um troço chamado saudade. Com ou sem pimenta nos olhos. O dito popular é quem melhor traduz a dualidade de uma saudade quando diz que esta é a maior prova de que o amor valeu a pena. Então sentir a falta é bom. E ruim. Em todos os pontos de vista. Vai entender.

Saudade é amar um passado que nos machuca no presente. É uma felicidade retardada. É deitar na rede e ficar lembrando das ardentes reconciliações depois de brigas homéricas por motivos desimportantes. Sente-se falta de detalhes, como uma toalha no chão, dias chuvosos, da cor dos olhos. A saudade só não mata porque tem o prazer da tortura.

Saudade é o amor que não foi embora ainda, embora o amado já o tenha feito. Ter saudade é imaginar onde deve estar agora, se ainda gosta de vinho bordeaux, se chorou com a derrota do Grêmio no campeonato nacional, se tem tratado aquela amiga da elite. E quando a saudade não cabe mais no peito, se materializa e transborda pelos olhos.

Sentir saudade é ter a ausência sempre do seu lado. É mudar radicalmente a rotina, comer mais salada e menos sorvete, frequentar lugares esquisitos, ter dias mais compridos, ter tempo para os amigos, para o vizinho e para a iguana do vizinho. A saudade é a inconfortável expectativa de um reencontro.

Às vezes a saudade é tão grande que nem é mais um sentimento. A gente é saudade. É viver para encontrar o olhar da pessoa em cada improvável esquina, confundir cabelos, bocas e perfumes, sorrir com os lábios tendo o coração sufocado. Porque mesmo a saudade sendo feita para doer, às vezes percebemos que ela é o meio mais eficaz de enxergar o quanto amamos alguém, no passado ou no presente.

Por que a saudade é o muro de Berlim desmoronado no chão, capaz de agregar opostos, como a tristeza e a felicidade em uma coisa híbrida. Se você tem saudade é sinal que teve na vida momentos de alegria com ela ou ele! No fim das contas, a saudade que agora lhe maltrata nada mais é que uma dívida sendo paga em longas 36 prestações pelo amor usufruído. Agora aguenta.

Gabito Nunes


Livrar-se de uma lembrança é um processo lento, impossível de programar. Ninguém consegue tirar alguém da cabeça na hora que quer, e às vezes a única solução é inverter o jogo: em vez de tentar não pensar na pessoa, esgotar a dor. Permitir-se recordar, chorar, ter saudade. Um dia a ferida cicatriza e você, de tão acostumada com ela, acaba por esquecê-la.

Martha Medeiros


Das coisas que sinto falta, a vontade de você é a maior. Sinto saudade do teu sorriso depois de um beijo torto e brincalhão. Daqueles olhos grandes e chamativos que sempre me fizeram prender a respiração. Do teu abraço acolhedor, que me dizia que tudo ia ficar bem. Do teu jeito sonhador, como quando falava do futuro, você olhava para o céu com estrelas no olhos, era incrível ver teu sorriso surgindo. Você faz tanta falta garoto. A ausência da tua voz, do teu cheiro, da tua pele, é assustadora. Teu nome está escrito em todos os lugares por onde vou e agora tenho que entender que você se foi e que nem sequer me avisou. 
   
a.m


Porque o amor demais prejudica
Porque o amor de menos prejudica
Porque o amor é feito bebida: tem que tomar a dose certa


 ♪ Cazuza




Porque a vida segue. Mas o que foi bonito fica com toda a força. Mesmo que a gente tente apagar com outras coisas bonitas ou leves, certos momentos nem o tempo apaga. E a gente lembra. E já não dói mais. Mas dá saudade. Uma saudade que faz os olhos brilharem por alguns segundos e um sorriso escapar volta e meia, quando a cabeça insiste em trazer a tona, o que o coração vive tentando deixar pra trás.

Caio F. Abreu

segunda-feira, 1 de setembro de 2014











Lembra que o plano era ficarmos bem? ♪