(in)delicadeza de amar.

Páginas

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Somos obrigados a seguir regras impostas pela sociedade todos os dias. Modas, pensamentos, opções, opiniões, ações e etc. Somos seguidos por hipócritas que dizem: Não fale, não ouça, não veja, não sinta, apenas finja. Fingimos ser algo que não somos para sermos aceitos por pessoas que querem nos ver sempre para baixo. Diferente da massa, existem algumas pessoas que possuem coragem de defender suas opiniões; pessoas que dão sua cara a tapa para mostrar o que realmente pensam. Sinto pena daqueles que tem necessidade de seguir o convencional; daqueles que passam vinte e quatro horas por dia tentando ser apenas mais um, então me pergunto: Qual a graça em ser igual a todo o resto? Temos tão pouco tempo na vida, então para que vivermos sendo marionetes ambulantes? Eu deixarei minha marca aqui, nesse mundo que irá acabar mais cedo ou mais tarde. Deixarei minha marca para que eu não seja só mais uma de todas essas pessoas que se dizem “normais”. Gosto de ser assim. Diferente. Apenas eu.

Preciso muito que alguma coisa muito muito boa aconteça na minha vida.

Caio Fernando Abreu.