(in)delicadeza de amar.

Páginas

sábado, 26 de novembro de 2011



E morta de cansaço e amor sem esperanças por aquele homem que não a via nem veria jamais como realmente era, nem a tocaria nunca. 


Caio Fernando Abreu