(in)delicadeza de amar.

Páginas

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011




(...)Em cada indelicadeza, assassinamos  um pouco aqueles que nos  amam, em cada olhar de desprezo, alguém termina magoado, em cada gesto de impaciência, damos  uma bofetada invisível nos que  junto a nos convivem , em cada ressentimento, revelamos  nosso amor-próprio ferido.