(in)delicadeza de amar.

Páginas

domingo, 1 de maio de 2011


Ele não era um menino comum, isso eu soube desde que o vi. Foi quando eu senti, mais uma vez, que amar não tem remédio.
 Caio F. Abreu.