(in)delicadeza de amar.

Páginas

sábado, 2 de julho de 2011



Me identifico olhando para o céu, minha mente é exatamente aquela imensidão, uma imensidão sem significado, sem sentido, sem fim.
As vezes céu nublado, as vezes relampeando, as vezes calmo, outras estrelado, algumas com um lindo sol, também tem chuvas passageiras, aquelas de verão.
Mas pra quem sabe admirar o céu vê beleza nele sempre, é assim com a minha mente, basta observar sem querer decifrar, só observe. 

Jade Stephanny