(in)delicadeza de amar.

Páginas

domingo, 19 de janeiro de 2014



Quando eu odeio é com tudo que tenho.

Quando eu sinto saudade, choro até dormir.
Quando eu fico triste posso tocar o fundo do poço.
Quando eu me apaixono fico totalmente cega.
Quando eu gosto vou até o talo.
Quando eu quero, eu nunca paro.
Quando eu desisto é pra nunca mais tentar.
Quando eu perdôo é pra nunca mais lembrar.
Quando eu esqueço, mato de dentro de mim.
Quando eu lembro, posso até sentir a presença.
Quando eu choro é pra desidratar.
Quando eu grito é pra deixar surdo.
Quando eu me calo é pra torturar.
Quando eu brigo é até te enlouquecer.
E quando eu amo é até sangrar.


Carol Eller